28 de janeiro de 2010

26 de janeiro de 2010

25 de janeiro de 2010

24 de janeiro de 2010

etc




a amiga fugiu-nos para lisboa, o telefone não toca mais vezes. valha-nos a coluna nova a tocar e os jantares em que chega menos atrasada. e agora urge um só de raparigas? ei estás ai?

20 de janeiro de 2010

estado do tempo






uma história sem letras ou muitas histórias para a imaginação de qualquer idade. chama-se o azul, é da plátano editores e deve ter mais de 25 anos. a propósito já nos fez apanhar gotinhas de chuva só com um dedo, trocá-las entre nós e deixá-las escorrer pela mão.

18 de janeiro de 2010

para a maria


a maria vai para a escola e fez-me uma encomenda. um saco para uma muda de roupa e um saco para o lanche. leva uma almofada de bónus com a história do capuchinho vermelho. eu coso para os outros. eu não coso as minhas meias.

17 de janeiro de 2010

domingo




mais ou menos invariavelmente o jantar de domingo é uma pizza maravilhosa das redondezas, uma sande e uma sopa ou tarte de legumes. tarte de legumes acompanhada com fruta laminada é o meu mais recente vício.

16 de janeiro de 2010

15 de janeiro de 2010

[ ]





g c g c
c g c g
g c g c
c g c g
entre temporais e muita chuva corri a agarrar uns raios de sol.

14 de janeiro de 2010

13 de janeiro de 2010

das birras





à medida que se aproximam os dois anos ganhamos consciência da aproximação dos chamados terrible two. às vezes já se esboçam umas birras das pequeninas que para já se gerem com relativa facilidade. o livro "bernardo faz birra" está já na minha mesinha de cabeceira e para já quem se tem deliciado mais com ele sou eu.

12 de janeiro de 2010

ele


ainda não tem dois anos mas já me ajuda a estender a roupa, a descascar os alhos e a pôr a mesa. às vezes também se mete dentro das panelas depois de as ter tirado a todas da gaveta. enquanto me ajuda aprende imensas coisas e descobre outras, brinca, está-me debaixo de olho e evito que trepe as cadeiras da sala e se magoe nas esquinas da mesa. um destes dias saiu-me um és um anjo ao que de imediato retorqiu: anjo asas, m. braços.

11 de janeiro de 2010

mais babetes


há umas coisas que me saem das mãos e voam, a maior parte são babetes, que me falta o tempo. algumas já estão ali e outras vão amanha com um amigo ( que fará papel de intermediário) para coimbra, a ver se ficam. vou fazendo assim devagarinho. a ver.

9 de janeiro de 2010

rio cávado





vimos barcos demos pão aos patos do rio, atraímos gaivotas e fomos às velharias do costume, as nossas. a propósito também visitamos outras e balancei em vir com uma cadeira de baloiço mas ficou.

8 de janeiro de 2010

"seing mama"


a um mês dos 2 anos já é um cidadão com cartão. antes da fotografia rabiscou a cara mas portou-se sempre bem. a viagem de metro estafou-o e não tarda experimenta o avião. continua a eleger o sling como meio de transporte favorito e hoje foi nele que adormeceu.

presentes



tenho um colar novo que já vai perdendo o aroma. as bolotas recolhidas do parque foram furadas pela avó e enfiadas pelo neto. verdadeiro trabalho de equipa. tenho também um lavatório novo desenhado por ele. para casa mais dois projectos a curto prazo. 2010 cheio de expectativas positivas...

7 de janeiro de 2010

almofadas



já programo presentes de aniversário com tempo. pensar em presentes tem outro sabor. ando "viciada" em almofadas, em combinações e aplicações. falta-me sempre o tempo.

6 de janeiro de 2010

"seing" mama


na mais pura espontaneidade das suas memórias enrola cintos e cachecóis. se pudesse se calhar trocava de posição comigo e carregava-me no sling para poder também pegar na trela de passeio do seu "cavalo" pessoal.

5 de janeiro de 2010

^


não tenho, nem me lembro de ter, guarda chuva. era o chapéu que me bastava. estará na altura de procurar um?

4 de janeiro de 2010

coisas nossas




tinha várias coisas para registar mas o cabo da máquina andou perdido e o tempo foi passando. no natal, uma avó ausente e uma bisavó presente e o número ideal de convivas, aproveitei-os pouco, anestesiada por o que não importa. a caminho dos dois anos o piolho encerra o ano no auge da absorção infinita das palavras. tenho de registar, para memória futura, que passou repentinamente dos mmmm às palavras quase perfeitamente pronunciadas saltando a fase das onomatopeias e das palavras em versão bebé, acho que nunca disse popó, bumbum, nanar ou qualquer uma dessas variantes e nem mesmo chegou a pronunciá-las como simplificações que me obrigassem a construir um "dicionário" de transição. ontem ao deitar recapitulava: -mama sipicado (supermercado) leitinho- deixando numa grande parte das vezes os artigos, verbos e pronomes de fora. avançou com as primeiras palavras só aos dezanove meses e saltaram-lhe da boca numa pronúncia quase correcta. desde aí o vocabulário explode em número e dificuldade todos os dias e isto faz-me concluir, mais uma vez, que cada criança cresce ao seu próprio ritmo e isso é que é o normal.
.
bom ano 2010

eu vista por mim

eu vista por mim
novembro1982