30 de setembro de 2017

o nosso pinhal


voltamos atestados de oxigénio, de areia nos bolsos, de saltos nas dunas, de muitos paus e de cabelos desalinhados. 

5 de setembro de 2017

deixa-o resto


deixa-o resto escapou-nos do registo mas colecionamos lugares especiais.

4 de setembro de 2017

1,2,3

herbário



lançamo-nos de novo a um herbário com registo das plantas do nosso pátio, já o tínhamos feito uma e outra vez mas os anteriores registos não envolveram de uma forma tão participativa o filho pequeno.

brincar



querias traze-lo contigo, confessa-mo-nos, o pátio podia vir embrulhado. havemos de ter mais onde construir cabanas. por ai, espalhados por muitos lugares.

1 de setembro de 2017

fazer estrada

não dormir uma noite seguida seguramente há mais de um ano faz de mim zombi. máquina em piloto automático. espécie de cérebro em derrapagem. tanto se sussurra como se grita, tudo nas mesmas proporções. mas aterramos de uma volta cheia de tudo o que para nós são as férias. em trânsito por todos os nossos lugares e mais alguns novos, a acrescentar apeadeiros. preenchidos de campo e praia, estradas e ruelas, caminhos e passadiços, dunas e planaltos. das províncias configuradas no século xvi só deixamos por pisar uma.  temos a vida desarrumada e muita vontade de fazer uma reentrée a organizar gavetas. este setembro, como tantos outros, será o nosso janeiro cheio de projetos, a transbordar de tarefas e alterações a espraiarem-se por muitos quadrantes da nossa vida.

eu vista por mim

eu vista por mim
novembro1982