30 de setembro de 2018

26 de setembro de 2018

e se mais mundo houvera


estar irremediavelmente com o vicio do ir na pele faz de mim gestora de listas de projetos na gaveta. viagens em lista de espera, ires em grande e ires em pequeno, tantos ires em tão pequenino que me moem. parecem urgências na alma que cada vez que fervilha vira mala na porta. cada vez que lhes espreito livros a transbordar de matérias, conceitos novos, textos, contas e tipos de relevos apetece agarra-los estrada fora que as matérias comem-se melhor cinco sentidos adentro por ai fora.

25 de setembro de 2018

ladrões e vilões e o funcionamento executivo na bagagem



a nossa pulga saltitante, a nossa abelha sempre a zumbir, a peça mais resiliente do nosso pequeno ecossistema. o que espalha abraços e apertos e que se deita a pensar em ladrões mas adora vilões. mantens mentalmente com facilidade  as informações necessárias à resolução de uma tarefa complexa mesmo quando parece que não há conexão, vais tendo controlo inibitório sem precisar nunca de dar-te ferramentas e flexibilidade cognitiva que mesmo num ano precoce se fez notar. de vez em quando mostras encadeamento de reflexões mais além das informações primárias. invades mais os espaços e tens mais exibicionismo inato. dizem que tens as bases para um percurso académico e profissional lançadas. não fazes ideia do que isso seja o que sabes mesmo desde sempre é que precisas de mais sapatilhas. há sempre poucas sapatilhas na tua vida.

24 de setembro de 2018

escaleno, equilátero, isóscelos, ter um triângulo

























superaram uma semana, os dois. este ano quem vai tentar superar-se mais do que tudo é ela. quando o número um precisa que esteja ao seu lado para acompanhar as novas dinâmicas e quer que olhe para o seu caderno e precisa de não ralhar com o numero dois que precisa que ela se sente e explique que o numero um precisa de um bocadinho de tempo que tem muitas coisas novas para assimilar e para fazer mas tem o numero três no colo a querer mimo, corpo com corpo, braço em posição de cadeira, costas torcidas e cansaço físico em faísca a ligar o psicológico. quando essa trilogia ligada em rede, interligada em espiral, que se penetra de forma constante e exige andar a dar espaço às dinâmicas várias, que depois se cruzam com rotinas básicas necessárias numa mistura explosiva em que por vezes se sente efetivamente atada. era ai que explodia. este triângulo vai mudando de forma e há-de-a moldar para a melhor dinâmica.

23 de setembro de 2018

o ponderado, o equilibrado, às vezes explosivo



que passou a respirar fundo e conquistou mortais com trabalho. o que teve quebras e as regenerou. o que conquistou funções executivas com tempo e maturidade. o que avança na frente e tem interesses direcionados para todos os lados assim no geral. o que sabe por um dos lados que quer ir e que escolhe depois de longa ponderação com esquemas mentais próprios. a quem mais falamos do quão únicos somos. o que mais sabemos ter uma bagagem gigante de vivências e as arrumações que o tempo permite fá-las-à desabrochar de forma magistral.

18 de setembro de 2018

cabeças no ar



no carro há mais espaço para o cérebro ter menos estimulação e mais facilmente surgem perguntas: porque se chama quarto crescente? há tantas utilizações da palavra quarto, as frações, onde dormimos, porque utilizamos quarto crescente se é metade da lua que vemos? mais tarde googlamos a questão , satisfizemos a curiosidade e avançamos em conhecimentos que vão além da informação que nos passam na escola. por isso tentemos reter a ideia mais do que reproduzir matéria para testes estimulemos as crianças a fazerem perguntas. para que as suas cabeças andem mais vezes no céu sem limites.

17 de setembro de 2018

lápis afiados



meninos espalhados. todos os dias várias voltas ao quarteirão a desafiar horas. a distribuir lápis afiados. setembro é capaz de ser dos meses mais desafiantes porque parece que a vida começa um bocadinho de novo. 

13 de setembro de 2018

o poder do triangulo- a nossa triangulação



um triângulo isósceles para me equilibrar a vida e os dias. cheio de bicos e hipótenusas a variar de ângulos. catetos com personalidades opostas e um turbilhão de malabarismos para às vezes o equilibrar. nunca será equilátero este meu triângulo. trás a cada ano novas equações para encontrar a sua área de influência. este ano pontapeou três vértices um para cada lado em três estádios diferentes. esta sublime figura geométrica não se deforma quando é aplicada uma força sobre ele. a nossa base rija, a nossa estrutura resistente.

12 de setembro de 2018

cliques que me querem mandar




a dois meses dos dois anos descobriste a joana come a papa e ao contrario da atração do número dois pela bola do manel é a papa da joana que mais te faz gingar. lançaste a palavra meninos às feras toda soletrada sílaba a sílaba mas os nomes dos teus irmãos andam a marinar-te no cérebro e ainda estão sem tradução. tens um relógio ativado para as seis da manhã faça chuva ou faça sol e até ao toque do despertador ficamos os dois numa luta quase inglória para me largares o nariz. voltaste ao mesmo espaço escolar com caras diferentes e precisaste de uma semana de aceitação. confirmei mais uma vez que devia levar ainda mais a sério o meu instinto e mandar às urtigas as teorias das despedidas rápidas e do deixar a chorar que os meninos já param. há meia dezena de anos fiz a transição em que acredito, prolongava-me na sala até ele se prolongar na habituação do espaço. queridas educadoras tenho um profundo problema com o envio de fotografias sorridentes enquanto os nossos educandos estão à vossa guarda. os pais sabem quando os filhos estão bem quando regressam a casa e nos vão mostrando novas canções, novo vocabulário, novas aptidões para além das que vão surgindo com o natural desenvolvimento das crias. não preciso de uma foto a mostrar os dentes num nano-segundo porque essa foto diz-me muito pouco, aliás diz-me que provavelmente passaram muito tempo atrás do meu filho de maquineta em punho de macacada atrás de macacada a arrancar-lhe um sorriso forçado em vez de se entregarem de corpo, alma e sentidos à relação que precisam estabelecer com ele. prefiro que cantem e dancem e que escolham a dedo o que lhes mostram, que se sentem numa roda de livro na mão e a teatralizem uma história. prefiro que reduzam o plástico e aumentem os brinquedos de encaixe. prefiro que apanhem folhas com eles em vez de colarem algodão industrial que não sabem de onde vem. prefiro que trabalhem texturas e sentidos porque depois desse mundo que lhes dão nós pais vamos ver um sorriso mais profundo e sincero, um sorriso de dentro para fora e não de fora para um ecrã digital.

6 de setembro de 2018

a escola, as notas, reflexões do início do segundo ciclo

está em transição a ambientar-se a um novo ciclo imergido no seu contexto pré aulas. vai a meio gás com professoras orientadoras que fazem testes de diagnóstico para respostas de testes de percentagens. uma questão pedia a seleção de povos que tivessem passado pela península ibérica. justificou-me mais tarde que sim, que nas aulas em inglaterra tinha observado um mapa a confirmar que os vikings também tinham passado pela península ibérica incluindo portugal. a resposta tinha um MAL em letras gordas e vermelhas. nós fomos confirmar e explorar no senhor google e de facto embora possa não ter sido a presença mais marcante sim eles andaram aí e já há quem tenha investigado com maior profundidade essa evidência. é aqui que divirjo. o percurso escolar sair deste beco sem saída, de respostas para pontuações de testes, para outro patamar que comece em professores melhor remunerados e com uma formação mais exigente a vários níveis. são eles os médicos da vida do nosso futuro. obrigada por mais um episódio que nos permite crescer a partir de casa e questionar-mo-nos em conjunto. estas são as oportunidades para nós mais mágicas.

3 de setembro de 2018

1,2,3

o novo ano está a começar. é agora que mais rotinas se alteram e que mais recomeços se fazem, que mais expectativas surgem, que mais desejos se alinham, que mais sentido me faz um tchim tchim prolongado. dois terços voltam a rotinas parecidas ainda que as caras que os recebam sejam novas. um terço tem um novo mundo à sua frente mas leva os amigos atrás, esses que parece lhe dão a base para que se lhe equilibre o fuste e o capitel. anda tão feliz que começa o dia vestido e calçado sem orientação e acaba o dia a pedir abraços e beijinhos ( coisa rara, exclusiva de momentos de felicidade ou de angústia). 1,2,3 tudo orientado embora o 3 esteja a abrir-nos reflexões velhinhas...

2 de setembro de 2018

secretariado escolar reflexões sobre locais de trabalhos para casa


deixamos sempre a dinâmica escolar durante o primeiro ciclo em livre demanda. o "secretariado" é quase inexistente, a gestão escolar ainda está com os pais, os trabalhos de casa fazem-se na maior parte das vezes em regime de partilha e na sala de operações principal de uma casa: a cozinha. as cozinhas são os principais laboratórios de um lar, é através dela que se desenham praticamente todas as dinâmicas de uma família, seja ela de um, de 3 ou de 7 ou em regime permanente variável. é, na maior parte das vezes, nesse ponto nevrálgico da vida que os miúdos fazem rodopiar perguntas, choros e na maior partes das vezes onde se alapam com cadernos e dúvidas. ultrapassado o primeiro ciclo da vida escolar, ou arrancando uma espécie de pré adolescência, período intenso no qual mais crescem pés e uma série de outras coisas, passamos efetivamente a outra fase. há questões práticas associadas e outras tantas indiretas. de facto o crescimento trás maturidade e pode trazer autonomia e, mesmo que traga muito devagarinho, é preciso um poiso fixo para a troca constante de caderno e livros e materiais vários. com o numero 3 a arrancar segundo ciclo adentro sabíamos de ante-mão a urgência que havia em dar-lhe um espaço físico para o estímulo de toda a nova gestão e dinâmica escolar. a secretaria, papeleira ou escrivaninha, concluindo, só são cruciais, para nós, no segundo ciclo. veio a escrivaninha que ficou pronta a guardar e a aguardar tesouros e trabalhos vindouros. estamos prontos segundo ciclo.

eu vista por mim

eu vista por mim
novembro1982