2 de setembro de 2008

có córo có có


fui cacarejar para casa da amiga. enquanto ela se hipnotizava com as novas gracinhas do meu rebento eu cuspia os disparates. ela só faz uma coisa de cada vez e, como verdadeira ouvinte, não ouviu quase nada. revi quase todos os itens de um caderno de encargos para congelar mais uma vez o tema. não quis mais rever os itens dos 180 minutos que vai passar num infectário longe dos meus faróis. não é fácil conformar-me. o cheiro dele já me foge das narinas. e quando corro para o apanhar ele dorme sempre como um anjo. a vida às vezes não é a cores.

3 comentários:

CACAU disse...

Não fiques triste...o T. está desde os 6 meses na cresce e acredito que ele gosta: a aprendizagem e a socialização (entre outras componentes) são factores positivos...mesmo que em cada despedida sinta o coração apertado!Mas, não tive mesmo outra opção, sem familiares perto, teria de deixar de trabalhar para ficar em casa...
Coragem, vai correr tudo bem!

inubil disse...

olha a casa do galo!

Pátuá disse...

Custa-nos sempre mais a nós do que a eles.
Dos meus dois filhos, optei por deixá-los em part-time, durante a 1ª semana, só de manhã, para se ambientarem ao espaço, ás pessoas, ás regras...
vais ver que vai correr tudo bem.
beijinhos e ânimo

eu vista por mim

eu vista por mim
novembro1982