5 de abril de 2007

pai de mãe


ainda não descortinei a fórmula de Deus. já me esbarrei entre o que vou acreditando e quero para mim e a cedência para um mundo que me rodeia mais tranquilo e, cedi.
ainda me parece que a alma só existe em nós, uns nos outros e, sinto que de alguns tem-se mesmo muito mais saudade.
.
tenho uma caixa de jóias inacabada for ever que devia ter a cor do ouro mas que guarda bem mais precioso porque só se destrói com a destruição da minha memória. e não me importam para nada as missas, as comemorações e as visitas cerimoniais porque te tenho aqui comigo, na cabeça. e acho que vais continuando a existir enquanto existes nos outros. através dos outros. já passaram muitos anos, tantos que há gente que me importa que não te conheceu e há gente que há-de vir que nunca te vai sonhar.
.
ainda me povoam as lenga-lengas e a voz nas manhãs de (dor)minhoca: "minhoquinhas já é de manhã". o relógio assinalava horas a fio e ainda marcava as meias pela noite fora, um dlim dlom que me mergulhava os sonhos e os transportava para o consciente. ao relógio, ganhei-lhe carinho, gostava de ter um, contemplativo e silencioso, que não quero que me acordem os fantasmas.
.
regressava sempre impregnada de tabaco que te parece ter atraiçoado. a mim não, porque nunca o guardei como prazer, porque mos moldaram. guardo-te a paciência com que me falavas nas sobremesas partilhadas. eram momentos mágicos como os que eram passados na oficina. guardo-lhe o cheiro. guardo-lhe o lusco fusco entre os sabores da madeira e o cheiro a serrim. não te herdei as mãos nem o porte imponente mas, guardo-te os momentos todos. e enumerá-los era reavivá-los. fica para depois. guardo-te na cicatriz que agora vejo como um bem precioso porque, te carimbei nela. nela também carimbei a minha primeira obra no teu mundo, outra caixa, onde quis guardar os meus segredos. e, lamento nunca te ter dito, que em mim, vives para sempre.
...
adenda: a perdiz diz ao coelho: onde vais amigo velho. onde vais tu perdiz, diz o coelho.

5 comentários:

e se disse...

lindo!
ele era/é mesmo especial.
parece que me entraste no fundo do coração!
há coisas que são mesmo só nossas, não é? hoje confirmo que há pelo menos uma pessoa no mundo que tem uma fotócopia da minha memória :)

e se disse...

onde estará a minha caixa dos segredos? :(

e se disse...

esqueceste os lusiadas,
que nos lia com paciência infinita!

e se disse...

e as pernas à chinês, na cadeira que era só dele!

madrid disse...

Simplesmente de arrepiar ... Ele vive em ti e de certo muito dele te faz ser hoje em dia tao especial. Obrigado por me fazer relembrar a minha "mae de pai".

eu vista por mim

eu vista por mim
novembro1982