2 de janeiro de 2019

o novo ano nos momentos renovados sem data nem hora marcada



















apesar da avalanche turbulenta do mês de dezembro e de 2018 nos ter trazido muitos trabalhos e muitas horas de entrega a mil e uma coisas, de nos sentirmos em constante operação incêndios, de não conseguir, como nos últimos anos, espaço para preparar a construção dos nossos dias, recuperei alguns dias de leitura ao serão. sempre foi uma das nossas melhores rotinas. estes dias lemos a menina gotinha de água, algumas passagens do principezinho e, finalmente, ismael e chopin. num desses dias deixei-os, ao final da história, nesse mergulho profundo dos noturnos de chopin e, agora que revisito esse momento realizo que deveríamos voltar a ele mais vezes. é este recomeço a que nos permitimos a cada momento que é para mim um novo ano.

31 de dezembro de 2018

do que não acaba mas continua....



se pudesse escolher escolhia sempre a noite da passagem do ano como um dia igual, ainda mais com a família que construí com ainda menos interferências.  não gosto do brinde, do jantar de festa partilhado, e nem da overdose de comida deste dia. se escolhesse escolhia rituais privados pequeninos, as nossas tradições (re)construídas. se pudesse escolher aninhava-me no nosso sofá encaixada na nossa meia dezena acalmada da turbulência dos dias.  não a resoluções porque todos os dias são bons dias para começar, a cada dia um recomeço e nós já recomeçamos tantas vezes em datas espalhadas por todos os meses e dias de vários anos. recomeçamos sempre que viajamos, sempre que remontamos uma casa, sempre que um filho nasceu, sempre que mudamos de país, sempre que nos reencontramos, sempre que nos separamos, sempre que nos abraçamos, sempre que pedimos desculpa, sempre que sorrimos em conjunto, sempre que nos reconstruimos,  recomeçamos sempre uma e outra vez a qualquer hora, em qualquer dia. por isso chega ao dia 31 deste mês de dezembro e só desejo que o calendário o salte rápido e avance para todas as mil oportunidades que temos a cada hora de todos os dias. mas sou muito agradecida a quem tenho ao meu lado por todos os dias ter oportunidade de construir tanto alicerce alinhado. é a ti que devo vários momentos dos mais felizes desta vida.

30 de dezembro de 2018

contar com contas nas férias



continuo sem aversão nem amor aos trabalhos para casa. às vezes dão-nos momentos maravilhosos, outras vezes tensos, outras vezes magistrais oportunidades de reinventarmos momentos construídos em conjunto, outras vezes imersões no mundo que nos rodeia a partir do mundo pequenino que nos envolve que é a família. vinha escrito no caderno treino de tabuadas e lá continuaram as letras abandonadas a marinar. mas eis que uma comunhão de acasos cruzou um momento em que tropeçamos num jogo com apenas dois filhos em casa e um jantar requentado e foi o apogeu de um momento de partilha que misturou trabalho, jogo, prazer, convívio à mistura e paz. e ali ficamos a montar a tabela e a fazer saltar números. 

17 de dezembro de 2018

cantinhos a que hei-de sempre voltar

temos sítios nas cidades por onde passamos onde plantamos memórias. mas, por passarmos muito mais tempo numa, há muitos percursos que fazemos que nem sempre nos devolvem uma espécie de estética de bem estar que ultrapassa várias dimensões e níveis de estar. gosto de os levar a expandir em dois sítios nesta cidade, um com um de horizontes infinitos com uma presença infinita de muitos por de sois e este parque. 

16 de dezembro de 2018

a turbulência feliz do mês de dezembro

o mês de dezembro engole-nos entre festas de natal, aniversários e o final do primeiro ato da vida escolar, entalado entre um período de férias a boicotar as rotinas e a desgovernar os dias. eles têm um calendário do advento sem chocolates a transbordar de momentos construídos para preenchermos os serões que não temos tido. a vida anda desgovernada e os caixotes arrastam-se no corredor em alerta permanente tal e qual a baba de lesma arrastada diretamente do nosso pátio na norfolk street. tenho muitas saudades do nosso pátio de pertersfield e das horas que, senhora do meu nariz, me davam para orientar o nosso bunker familiar. mas como os ses e os mas me definem aprecio agora o que nos faltava antes e, este último fim de semana foi mesmo recheado de pessoas e quando os vejo cheios de pinturas na cara, adereços, sapatos espalhados entre primos e primas de várias faixas etárias a construir memórias preciosas fico também saudosa. uma espécie de saudades a projetar o passado no futuro. há aquele burburinho familiar, aquela espécie de não cerimónia que me relaxa a banha saliente. são muitos anos para chegar aqui a este estádio de convívio.


13 de dezembro de 2018

1 andante 2 falante


em um mês és falante de tudo inclusive frases e explicações. e finalmente desbloqueaste o mano do meio para o seu nome com uma pronúncia perfeita alemã. descobriste as prendas e o natal mas não deixas o nariz de ninguém em paz.

9 de dezembro de 2018

sem parar onde irás parar?


és o nosso recheio que ouve e reflete, que ouve e pergunta, que ouve e opina. és o nosso recheio que pincha, és o nosso recheio tipo peta zetas na boca, és o nosso recheio que derrete e transborda. és o nosso recheio doce como mel, como favo de colmeia encaixado numa forma o mais otimizada possível. és o recheio da nossa sanduíche. és o nosso recheio estaladiço e muito crocante. um destes dias, como de costume, saltitaste de questão em questão com arranque num nome de uma escola profissional, esmiuçaste todos os níveis dos primos mais velhos, cada etapa escolar, cada nível do jogo e remataste como de costume: ah!!!! mas eu vou acabar a faculdade! ninguém me pára!!!


7 de dezembro de 2018

viajar é sempre ir à escola

folheio-lhe os cadernos e vejo as viagens a sair-lhe da pele.

1 de dezembro de 2018

expansão contida



não sabemos se os dias daquele inverno nevoso em basel a fazer muitos origamis com vídeos de apoio se entranharam nas tuas gavetas das memórias. já lá vão 5 anos de distanciamento e muitas vidas no entretanto. queres tempo porque há sempre dentro de ti vivências que materializas em manualidades. és corpo de uma mente contida que se expressa devagarinho. és um miudo cheio de interesses, interessante e interessado. mas precisas do silêncio e de espaço físico e mental para te expandires para além de ti.

30 de novembro de 2018

retratos



definimos-te na perspicácia. defines-te no foco. centras-te nos objetivos e rematas. sabes do que és capaz e ficas zangado quando o teu raciocínio faz sentido e falhas. XXXC podia ser o número 70 mas os romanos definiram diferente. gostas de te desafiar e exibir o teu esforço. dás-te e espicaças e avanças em reflexões. há dois anos retrataste-te na escola de cambridge com a mesma confiança que te retratas este ano já com 7 voltas ao sol que trazes no peito e nos caracois.

17 de novembro de 2018

calendário da vida





















730 dias depois de voltarmos a reabrir portadas, cortinas, persianas, estores e deixarmos a prega da minha vida reforçada. chegaste recheado, composto, formoso, 3 330 gramas. um peso mediano entre os teus irmãos. a maturidade a manifestar os equilíbrios da vida. era domingo de verão de são martinho e a equipa acedeu roubar uma tarde de família para te vir lançar à vida. faremos as comemorações numa semana de verão de novo. dois anos depois atiras baleias, pachachas, baba, atois, pais, como se fossem verdadeiras colheres, almofadas, água, mateus, mais. 

13 de novembro de 2018

my english birthday boy






vieste assim como um ovo kinder surpresa desejado. vieste assim tipo suissinho fora da suiça. vieste tipo menino british a palrar português. vieste fechar uma espécie de terceira fase da nossa vida. elevaste-nos a pentágono e riscaste todos os quadriláteros da nossa estrutura. fechaste o nosso pentágono com muitos triângulos dentro. exponenciaste a nossa amplitude geométrica de 360º para 540º é quase uma duplicação da riqueza base. a matemática da vida é simples quando se eleva o amor a potências maiores. deste duas voltas à terra, já viveste em dois países diferentes e acabaste de visitar um continente novo. tens azeite e vinagre diários a equilibrar-te o galheteiro. mais do que dois colos e muitas rotinas não tuas. juntas um dedo de cada mão a lançar a nova translação e atiras sílabas próximas dos difíceis nomes diários que te recheiam a vida. querido mini boy largas-me o nariz ainda este ano?

11 de novembro de 2018

és nascente e poente do nosso norte no nosso sul



és quem mais leva a reboque gente, muita gente que é tua. nasceste no meio de gente. és nascente e poente. tens um mar de afetos, diário. tens um porto seguro com várias âncoras, futuro. és quem mais mundo tens e talvez vás sair menos do sítio na infância. és o vértice do nosso pentágono. és a chave que nos remata o ciclo. que comecem as comemorações porque era neste dia que te programei nascer.

31 de outubro de 2018

desert dress code


absorver o espírito do lugar a cada latitude. uma e outra vez.

30 de outubro de 2018

ter atenborough´s em casa


sabíamos que seria o ponto alto da viagem o momento em que se sentariam no cume mais alto da bossa de um dromedário mas depois camaleões, macacos, serpentes também marcarão estes dias.

29 de outubro de 2018

entrar-nos o ocre olhos adentro

e os horizontes alargá-los olhos fora. mergulhamos numa overdose de estímulos até cansar a alma. não sei se se esquecem mesmo que se encostem sempre à direita das ruelas da medina. get lost. de contrário a medina não te disse nada.

27 de outubro de 2018

as pequenas e as grandes viagens



















vamos faltar à escola. vamos faltar à escola mas vamos mais para dentro dela. na escola trocam-se conhecimentos. nas viagens vivemos conhecimentos.  mergulhamos em conhecimentos. vivemos família. vamos faltar à escola mas vamos mais escola adentro ou escola afora. vamos perder aulas e ganhar mundo. voltaremos com as bagagens a transbordar. vamos faltar à escola e meter os pés e as mãos no mundo.

26 de outubro de 2018

fall or fly


preparei-me desde cedo para as quedas. foi a vida que lá me levou. ajudas-te-me a fazer-me aos voos. agora ando sempre de asas abertas. e o problema é que quero sempre ir e voltar.

23 de outubro de 2018

são sempre dias bons. mesmo assim.

queria fazer tudo como a buda coen, com o espírito zen nos píncaros. o mindfulness nas veias. lançar-lhes frases inspiradoras antes do escrutínio aprofundado de todos os tipo de textos não literários que o ajudei a estudar. lançar-lhes às feras do positivismo mesmo face a uma disciplina associada a uma professora fora do circuíto das suas preferências. conseguimos até recordar, na paz, tudo o que já deu a essa disciplina até aqui a um nível acima da média. trabalhamos assim a mudança da perspetiva derrotista a invadir-lhe o espírito. havia uma abelha aos saltos sempre feliz a zumbir, o nível no topo dos topos e um bebé a rebolar-se em mim desde as três da manhã o que me fazia transpirar cansaço e frustração. bolas, era um corpo erguido a fazer circunferências recheadas de chocolate desde as sete da manhã, a forrar lancheiras,a rechear mochilas, a coordenar vestimentas compatíveis com a metereologia e a lançar maté ria à fera mais mansa do pedaço. somos um vulcão em erupção a cada manhã, sinto-me um atirador furtivo a lançar procedimentos preventivos para a explosão. no fim, um caçula a gritar papeta até ao momento da distribuição e entregas. venho com esta lava ainda incandescente colada e a queimar-me o corpo, sinto os estilhaços no meio dos fios de cabelo. ainda não me recompus. tenho uma angústia no peito e uma mochila pesadíssima nas costas. ansiosa por pousar carga no chão na próxima semana. salamaleco. 


21 de outubro de 2018

poesia guardada na tua gaveta



a biblioteca é um céu onde se lêem estrelas...
para pôr um buraco a voar tenho de chamar o sonho...
quando amanhecer ouviremos uma flor cantar...
o mar é um céu que veio à tona...
no sorriso do mar podes navegar...

18 de outubro de 2018

numero 2

este és tu cheio de cor. é o que és. focado, determinado, centrado, objetivo. basta-te saber com o que contas e é ver-te ir. finalmente demos-te o que sempre soube que pudesses querer sem saberes. uma única aula parece antever um sentido que tinha no peito. mas és o segundo na fase de abrir portas para te encaixar num mundo que agora tem três. da-mos cambalhotas todos os dias. mas havemos de vos dar o que poderão descobrir que queriam, a cada um, individualizando o mais possível ao que já vão sendo.

16 de outubro de 2018

à roda dos alimentos


chegou-me com o desafio de levar uma merenda saudável. lancei-lhe um sorriso contido por lhe colocar todos os dias na merenda fruta, tostas, wraps com sultanas e abacate ou qualquer coisa que inclua queijo. o que traduzindo não era nada de novo na nossa rotina. vincou que o concurso do dia da alimentação tinha uma condicionante que era comer a própria merenda. concluímos portanto que a fruta não fugiria muito da nossa rotina porque uvas são uma das fruta de eleição e a fruta da estação. incluímos cenoura crua por estar no seu top de preferências dos aperitivos e tostas com queijo por não termos cereais alternativos disponíveis. como tudo isto não era nada de novo decidimos avançar na apresentação e pusemos uma flauta a lançar vitamina A e um ouriço forrado de antioxidantes da época, tostas ET's recheadas de queijo e água porque este menino risca tudo o que for líquido embalado e repor água no organismo pareceu-nos sempre uma boa opção. simples assim.

notas soltas: a flauta segue a receita à risca mas tocar já é outro campeonato. ficou a intenção e o entusiasmo de uma família envolvida.

eu vista por mim

eu vista por mim
novembro1982